2011/2012

Think Tank Literacia em Saúde

Em Portugal, os esforços para avaliar os níveis de Literacia em Saúde da população ou de grupos específicos eram insuficientes. Pretendendo dar resposta a “Como é que a literacia em saúde influencia três domínios fundamentais da gestão nesta temática: 1) resultados em saúde; 2) a utilização dos serviços de saúde; 3) a otimização dos gastos em saúde?”, Saúde que Conta avançou com o primeiro estudo sobre Literacia em Saúde realizado em Portugal.

Objetivos

  • Medir a capacidade dos cidadãos de aceder a informação sobre a temática;
  • Compreender, analisar e utilizar a informação de saúde para tomar decisões informadas, permitindo manter uma boa condição de saúde;
  • Prevenir doenças e utilizar corretamente os serviços de saúde.

Principais Conclusões

Grupo de peritos relaciona uma baixa literacia em saúde com os níveis de saúde da população, criando impacto na utilização dos serviços de saúde e nos gastos desnecessários no sector.
Na verdade, verifica-se que inadequados níveis de literacia em saúde aumentam a suscetibilidade de adotar comportamentos de risco e traduzem-se numa pior condição de saúde, com maior taxa de morbilidade em doenças como Diabetes, Hipertensão, Obesidade e Infeção por VIH/Sida, refletindo-se numa utilização menos eficiente dos serviços de saúde e numa menor utilização de cuidados preventivos.
Uma baixa literacia em saúde reflete-se, também, numa maior taxa de hospitalizações e de utilização das urgências hospitalares. conduzindo ainda a uma autogestão e/ou controlo deficiente em caso de doença crónica. Tal pode traduzir-se numa maior dificuldade em tomar corretamente a medicação e em saber o que fazer no caso de esquecimento.
Relacionando a literacia em saúde com os gastos do sector, os peritos consideram que se existir um investimento mais significativo na promoção de literacia em saúde existirá:

  • Uma melhor utilização dos serviços de saúde;
  • Diminuição dos comportamentos de risco em saúde;
  • Uma diminuição dos gastos em saúde.

Assim, é possível pensar-se numa estratégia de promoção da literacia em Saúde em Portugal com base em quatro eixos fundamentais:

  1. A partir dos sistemas de informação, promover o acompanhamento, apoio e cooperação entre os projetos em curso, no sentido de se beneficiarem mutuamente, de partilharem instrumentos de interesse comum e de aprenderem uns com os outros;
  2. Definir prioridades planeadas para o futuro, nomeadamente no que diz respeito à gestão das doenças crónicas;
  3. Desenvolver metodologias de avaliação – o eixo mais relevante no âmbito da definição da estratégia.
  4. Garantir a sustentabilidade organizacional e financeira dos projetos em curso e a desenvolver.

Grupo de Peritos

Anabela Lopes; Casimiro Dias; Célia Gonçalves; Clara Carneiro; Fernanda Silva; José Manuel Boavida; Luis Saboga Nunes; Manuel Lopes; Mário Beja Santos; Osvaldo Santos; Pedro Graça; Rita Espanha